RESOLUÇÃO DA CPI É REPROVADA POR VEREADORES NA CÂMARA MUNICIPAL

Pinterest

Por 8 votos contra 4, o projeto de resolução da CPI foi rejeitado pelos vereadores da bancada do prefeito Lucrécio Gomes.

Na noite de terça-feira (17/05) durante a 14ª sessão ordinária do primeiro período do poder legislativo foi lido e posto em votação, em único turno, o projeto de resolução Nº 001/2016, onde a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) aprovou o relatório final e as conclusões que teve autoria do vereador Rinaldo José de Lima (Caraveia), mesmo com a aprovação da comissão, os vereadores da base política do prefeito Lucrécio Gomes rejeitaram o projeto.

A_MG_8460

Apesar da recomendação e aprovação do relatório da CPI pela comissão, a maioria dos vereadores foram contra o projeto. Foto: Vereador Zé Amaro, relator da CPI, falando sobre os desvios de verba pública apurados.

Os vereadores rejeitaram o parecer da comissão, composta pelos vereadores Paulo Sávio (PSDC) – Presidente da Comissão, Zé Amaro (PV) Relator e Arlindo Pereira (PDT) – Vogal, onde os mesmos citados acima recomendaram que em virtude do Decreto-Lei 201/67, em virtude do pagamento de obra não realizada pelo poder executivo, se utilizando de verba pública de mais de 1.400,00 (um milhão e quatrocentos mil reais), sem que a prefeitura tenha justificado ou apresentado planilhas que justificassem os valores gastos.

Votaram contra o relatório da CPI contra o prefeito os vereadores, Dêda Móveis (PDT) que foi vogal na comissão, Sandra Valéria (PMDB), Léo de Frexeiras (PMDB), Elias Ribeiro (SD), Junior de Massauassu (SD), Alberto de Nova Escada (PTB), Rodrigo Pontes (PSB) e Rogério (PSD), apenas quatro votos foram a favor da da CPI, os fotos favoráveis foram dos parlamentares Paulo Sávio (PSDC) que presidiu a comissão, José Mário (PV) que foi o relator da CPI, Flávio Móveis (PSL) e Massé de Frexeiras (PHS), caso fosse aprovado, seria realizado e instaurado um nova comissão pedindo a abertura de processo de cassação do Prefeito Lucrécio Gomes (PSB).

Além da Câmara Municipal, foram enviadas cópias integral do processo para o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE) e outros órgãos para apuração dos fatos averiguados pela comissão.

Informações: Câmara Municipal da Escada

Comentários do Facebook

Pinterest
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *